Após vitória, Roberto pede paciência à torcida;

ADAURY VELOSO ; Treinador ressaltou que pouco tempo de treino tem dificultado início de temporada ;  A pressão no Náutico, após o três empates seguidos na temporada, contra Itabaiana e Altos/PI, pela Copa do Nordeste, teve uma folga com o triunfo por 3×2 na estreia do Campeonato Pernambucano. Saindo em defesa dos seus comandados, o técnico Roberto Fernandes pediu paciência aos alvirrubros neste início de temporada, destacando as dificuldades na montagem no elenco e na sequência pesadas de partida nesta semana.

“Estamos procurando o melhor que pode ser feito dentro da nossa visão e da realidade. O clube chega ao quarto jogo oficial na temporada sem derrotas. Sabíamos que precisaríamos da prudência de não entrar com todos os jogadores que atuaram nas três primeiras partidas. Treinamos com uma equipe sem saber se poderíamos jogar com ela. Tivemos o aval de colocar quatro jogadores titulares (Jefferson, Thiago, Camutanga e Fernandinho) às 20h. Foi um time que não fez nenhum treinamento. Com seis garotos da base”, afirmou Roberto.

“Minha preleção não passou de 15 minutos. Dei o exemplo de um clube que dirigi e que conquistou um título estadual. Essa equipe saiu do hotel ao vestiário tocando samba. Todo mundo sabia que precisávamos ser campeões. Mas tinha alegria. Não tinha essa pressão de ganhar de qualquer jeito”, completou.

Em alguns momentos da partida, Roberto chegou a conversar com alguns alvirrubros que estavam próximos do banco de reservas. Segundo o treinador, os pedidos por substituição e a cobrança exagerada acabam prejudicando o rendimento do time.

“Se eu estivesse no papel do torcedor, também pediria reforço. Mas durante os 90 minutos não adianta a cada jogada errada pedir pra tirar. Hoje pelo menos cinco foram pedidos para serem tirados do time. Essa intranquilidade… quem agradece é o adversário. Temos esse grupo. Ele pode não ter a qualidade que o torcedor espera porque é um orçamento que ninguém faz ideia da realidade, mas estamos honrando a camisa do Náutico. É um grupo que puxa o ‘N-Á-U-T-I-C-O’ antes dos jogos. Esse para mim é o melhor time porque é o que tenho agora. Não adianta sonhar com Messi e Cristiano Ronaldo se não tenho eles para correr para mim. A intranquilidade de um grupo jovem, sendo formado agora, não ajuda durante o jogo”, ressaltou.

Central

Para o jogo contra o Central, domingo (21), no Lacerdão, pela segunda rodada do Estadual, o treinador indicou que ainda vai avaliar quais peças serão poupadas e quais voltarão ao time. Muitas mudanças acontecerão e alguns atletas que tiveram bom rendimento contra o América podem ganhar mais espaço no time.

“Devemos ter o retorno de alguns atletas que ficaram de fora. Um jogador que estava dentro do nosso planejamento para ter jogado hoje era Junior Timbó. Queria demais que ele tivesse entrado, mas como vou botar um jogador para entrar que não joga a quatro meses em uma partida que estávamos com menos um? Breno também dificilmente estará regularizado. Vamos ver o que temos à disposição. Mas alguns já começam a ganhar espaço no time. Quem deixou esse recado claro foi o Josa. Um cara experiente, que já conhece a torcida. Estava sem atuar a sete meses e teve que jogar os 90 minutos. É improvável que ele jogue contra o Central, mas ele pode ganhar futuramente um espaço na equipe principal”, concluiu. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *