atacante do Náutico, Rafael Assis, ganha elogios;

ADAURY VELOSO ;

NÁUTICO

Driblador, Rafael Assis ganha elogios curiosos de técnico: ‘Desengonçado, comédia, figura’

Para Roberto Fernandes, atacante alvirrubro “retrata futebol moleque”;

Maior surpresa da escalação do técnico Roberto Fernandes para a semifinal contra o Salgueiro, o atacante Rafael Assis deixou o campo após a vitória por 3 a 2 e a classificação para a decisão do Estadual como um dos melhores jogadores em campo. E não por acaso, ganhou elogios do treinador timbu. Porém, que fugiram do habitual. Exaltando principalmente a qualidade no drible, para o comandante alvirrubro, Rafael Assis se encaixa no estilo de jogador “à moda antiga” no que diz respeito a ousadia.

“O Assis é um jogador jovem (24 anos), mas ele retrata o futebol moleque que já não se via a não sei quanto tempo atrás. É um cara que a primeira coisa que pensa quando pega na bola é driblar. A segunda é driblar. A terceira é ver se cabe o terceiro drible. Depois que ele conseguir os três dribles, se deixar finalizar, ele tem um bom arremate. Ele é um dos jogadores que tem melho aproveitamento em treinamentos de finalização”, destacou  o treinador.
Vale lembrar que ainda no primeiro tempo contra o Salgueiro, quando o jogo estava empatado por 0 a 0, Rafael Assis mandou uma bola na trave, em chute de fora da área. Até agora, na temporada, o avançado disputou dez partidas, seis delas como titular (muitas no time alternativo) e fez um gol (na vitória por 1 a 0 sobre o Botafogo-PB, que deixou o Náutico vivo na Copa do Nordeste).
“Ele é uma comédia, meio desengonçado. É mais um, assim como o Júnior Timbó e o Fernandinho, que volta a viverum bom momento na hora de decidir. É um jogador que estava fora do processo. Entrou no processo coincidentemente contra o Salgueiro (na goleada por 4 a 0 na fase classificatória do Estadual). Teve uma sequência e depois teve uma queda. Talvez ele se assustou com o tamanho da responsabilidade da camisa do Náutico. Deu uma apagada, mas a comissão trabalhou bem, conversou com ele, procurou orientar e dar traquilidade”, relatou o treinador, que seguiu em seus elogios curiosos.
“Eu não queria marcar ele não. Ele tem um futebol moleque meio complicado. É um jogador que eu diria, curioso. Uma figura”, finalizou, aos risos.
A dúvida agora é saber se Rafael Assis será mantido como titular na partida da próxima quinta-feira, contra o Altos, pela última rodada da Copa do Nordeste, ou se será poupado para a primeira partida da decisão do Pernambucano, domingo, contra o Central, em Caruaru. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *