Contra a Ponte Náutico tentará reverter pela 1ª vez um 3 a 0 ;

ADAURY VELOSO ;

NÁUTICO

Contra a Ponte Preta, Náutico tentará reverter pela 1ª vez um 3 a 0 na Copa do Brasil

Em outras quatro ocasiões, alvirrubros perderam jogo de ida por três gols de diferença e não conseguiram avançar na competição nacional ;

Após perder o jogo de ida da quarta fase da Copa do Brasil para a Ponte Preta por 3 a 0, em Campinas, o Náutico tentará um feito inédito nesta quarta-feira, na partida de volta, na Arena de Pernambuco. Isso porque, nas 22 participações anteriores, o Timbu nunca conseguiu reverter uma desvantagem desse tamanho na competição nacional.

A derrota para a Ponte Preta foi a quinta do Náutico por uma diferença de três gols em um jogo de ida. E a única vez que os alvirrubros chegaram perto de pelo menos devolver o placar no confronto de volta foi na última vez que isso aconteceu, em 2014.

Após deixar o duelo contra o América-RN por 3 a 0, em Natal, o time pernambucano chegou marcar duas vezes, mas perdeu o fôlego, parando nos 2 a 0. Como curiosidade, o fato da partida registrar até hoje o menor público da história da Arena de Pernambuco em jogos oficiais, com apenas 354 testemunhas.
Em 2009 e 2011, o placar adverso na partida de ida se repetiu contra Internacional e Vasco, respectivamente. Com o agravante de, nos dois casos, os jogos terem sido realizados nos Aflitos. Contra o Colorado, o Timbu voltaria a perder no Beira-Rio por 2 a 0, enquanto que no caso dos cariocas, a equipe ao menos segurou o 0 a 0 em São Januário.
Voltando ainda mais no tempo, a eliminação na histórica semifinal de 1990 também veio após uma derrota por 3 a 0 no primeiro confronto. No caso,´para o Flamengo no Maracanã. No segundo confronto, empate por 2 a 2 nos Aflitos e adeus á chance de chegar à decisão da Copa do Brasil.

Outros placares

Em 2012, o revés inicial foi ainda pior, com uma goleada por 4 a 0 sofrida para o Fortaleza, na capital cearense. Na volta, como mandante, o Náutico conseguiu uma inútil vitória por 2 a 1.
Por outro lado, a maior desvantagem que o Timbu conseguiu reverter foi por dois gols de diferença. O primeiro, ainda em 1990, com a classificação vindo com um 2 a 0 nos Aflitos sobre o Remo, após revés de 3 a 1, em Belém. Já em 2008, após derrota por 2 a 0 para o Juventus, em São Paulo, a vaga veio com um 3 a 0, em casa.
Vale lembrar que caso avance para as oitavas de final,o Náutico também fará história por outro motivo. Isso porque, pela primeira vez na competição, terá superado quatro adversários em uma mesma edição.

O tabu a ser quebrado

1990
Flamengo-RJ 3×0 Náutico-PE
Náutico 2×2 Flamengo
2009
Náutico 0x3 Internacional
Internacional 2×0 Internacional
2011
Náutico 0x3 Vasco
Vasco 0x0 Náutico
2014
América-RN  3×0  Náutico
Náutico  2×0  América-RN

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *