Fifa demite Jérôme Valcke após escândalo ligado à Copa no Brasil.

  • Valcke foi acusado de vender ilegalmente ingressos para a Copa do Mundo de 2014

O comitê de emergência da Fifa decidiu nesta quarta-feira demitir o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, acusado de receber suborno em contratos ligados à Copa do Mundo. Ele era considerado o ‘número 2’ da entidade na gestão de Joseph Blatter como presidente.

O dirigente está suspenso provisoriamente pelo comitê de ética da Fifa de todas as atividades relacionadas ao futebol desde 7 de outubro, quando foi acusado de participar de um escândalo envolvendo a venda de ingressos para a Copa do Mundo de 2014. Na época, Valcke negou que tivesse participado de repasse ilegal de bilhetes e classificou a acusação como “fabricada e revoltante”.

Inicialmente sua punição era válida até o início de janeiro, mas no começo de 2016 foi prorrogada por mais 45 dias. Também em janeiro, o comitê de ética da Fifa encerrou as investigações sobre o caso e pediu que Valcke fosse banido do futebol por nove anos por entender que o dirigente violou sete artigos do código disciplinar da entidade.

Entre eles, envolvendo questões de conflitos de interesse (artigo 19) e acusações de receptação de presentes (artigo 20). O francês ainda seria punido com uma multa de 100 mil francos suíços.

O caso agora será decidido pelo comitê julgador da entidade, comandado por Hans-Joachim Eckert, que recebeu a denúncia e decidirá o futuro do dirigente.

Valcke, de 55 anos, foi jornalista na França e estava na Fifa desde 2003, quando assumiu o cargo de diretor de marketing e TV, sendo demitido devido a irregularidades nas negociações de patrocínio com as empresas de cartão de crédito MasterCard e Visa, apontadas pela Justiça americana.

Em 2007, porém, foi chamado por Blatter para assumir o cargo de secretário-geral da Fifa, substituindo Urs Linsi, e se manteve no cargo até ser suspenso em outubro do ano passado.

Valcke teve participação direta na elaboração a Copa do Mundo do Brasil, em 2014. Braço direito de Blatter, Valcke era responsável por avaliar o andamento das obras de estádios e infraestrutura do país para o Mundial. Irritado com os seguidos atrasos nas sedes da Copa, o dirigente chegou a dizer que o Brasil merecia levar um “chute no traseiro”.

“As coisas simplesmente não estão funcionando no Brasil”. “Temos de dar um empurrão, um chute no traseiro e entregar a Copa e é isso que faremos”, dissera Valcke, meses antes do Mundial.

Crise na Fifa

A saída de Valcke é apenas mais um capítulo na crise que abala a Fifa desde o ano passado. O presidente Joseph Blatter foi banido por oito anos das atividades relacionadas ao futebol devido ao um pagamento irregular ao francês Michel Platini, seu principal candidato à sucessão e presidente da Uefa, que recebeu a mesma punição.

Blatter ainda é acusado de ter participado de um esquema ilícito de venda de direitos de televisão para a Concacaf, que envolveu a então vice-presidente da Fifa Jack Warner.

Além disso, uma investigação da Justiça americana indiciou mais de 20 dirigentes e empresários ligados ao futebol devido a casos de corrupção, entre eles os ex-presidentes da CBF Ricardo Teixeira e José Maria Marin e o atual mandatário licenciado Marco Polo Del Nero. Marin está em prisão domiciliar em Nova York.Adaury

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *