Geovani é substituído e técnico do Santa Cruz tenta justificar ;

ADAURY VELOSO ;

SANTA CRUZ

Após 13 min em campo, Geovani é substituído e técnico do Santa Cruz tenta justificar alteração

Após entrar no decorrer do segundo tempo e ser precocemente substituído, meio-campista deixou a partida contra o Globo-RN visivelmente chateado;

Após mais de 30 dias se recuperando de uma grave lesão na coxa, o meio-campista Geovani já estava à disposição para voltar ao time há cerca de duas semanas. Ainda recuperando o melhor da forma física, o atleta de 25 anos teve, então, a primeira oportunidade com o técnico Roberto Fernandes diante do Globo-RN, no último sábado. E não foi feliz. Ficou apenas 13 minutos em campo. Após entrar aos 24 do segundo tempo, foi substituído novamente aos 37 da etapa final. Chateado, o atleta disse que a saída foi opção do treinador. Roberto Fernandes, por sua vez, justificou por que deixou o meia tão pouco tempo em campo.

Quando Geovani foi acionado pelo treinador, a partida estava 0 a 0. Empenhado, aparentando boa disposição em campo, o meia ajudou na missão de fazer o Tricolor passar à frente no placar. Nove minutos após sua entrada na vaga do volante Eduardo, a equipe abriu o placar com Pipico. Com a vantagem, Roberto Fernandes viu a necessidade de recompor o meio de campo, voltando a ter dois volantes. Acabou escolhendo o mesmo Geovani, que acabara de entrar, para ser substituído por Charles. O gol de empate no último minuto dos acréscimos acabou intensificando o questionamento à incomum decisão do treinador.
Na saída do campo, inclusive, o atleta foi instruído pelo próprio Roberto Fernandes a simular uma contusão. Mas ele mesmo tratou de desmentir qualquer problema ao fim da partida. “Não senti nada, ele pediu para eu cair. Foi opção dele, então ele que assuma a bronca”, disparou o jogador, em entrevista à Rádio Jornal, ainda em campo.
O treinador coral explicou a decisão em entrevista coletiva após o frustrante 1 a 1 com a equipe potiguar no Arruda. “Falei isso com Geovani mesmo (sobre ele cair em campo e ser substituído). Ele está há muito tempo sem jogar. Ele tem qualidade e está dentro dos nossos planos e do clube, agora, foi muito clara a falta de ritmo dele, pelo tempo que ele está parado. Mas ainda assim apostei nele pela qualidade dele. Mas era muito claro que, mesmo aqueles jogadores mais desgastados, como Robinho e Jaílson, estavam conseguindo ter intensidade de jogo”, explicou.
De fato, Geovani não entrava em campo há muito tempo. A última partida dele havia sido no dia 22 de maio, quando o Santa Cruz foi goleado pelo ABC, na eliminação da Copa do Nordeste. Na ocasião, ainda sob o comando do então técnico Paulo César Gusmão.
“Então quando a gente alcançou o objetivo (fazer o gol), eu precisava recompor. Porque tivemos a coragem de buscar o resultado tirando um volante e deixando só o Willian Maranhão ali naquela função. A gente sabia que pela situação do Globo-RN, eles iriam partir para o tudo ou nada. E aí eu precisava voltar a ter dois volantes. Na minha visão, de todos os jogadores que estavam numa condição para saída do jogo, acabei sacrificando o jogador que estava com menos ritmo de jogo e que estava mais propenso a ter uma dificuldade na recomposição. Acabou, não tem problema nenhum”, pontuou o técnico coral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *