Jogadores do Náutico lamentam eliminação na Série C;

ADAURY VELOSO ;

NÁUTICO

Jogadores do Náutico lamentam eliminação na Série C e não cravam futuro no Alvirrubro

Atletas saíram de campo bastante abatidos e foram apoiados pelos torcedores;

O ano que poderia ter sido fechado da melhor maneira possível, já que no primeiro semestre o Náutico já havia conquistado o Campeonato Pernambucano após 13 anos e agora poderia ter conquistado o acesso, não teve o desfecho esperado pelos alvirrubros. Após perder o jogo de ida por 3 a 1 para o Bragantino em São Paulo, as equipes empataram em 1 a 1 na Arena de Pernambuco e o Massa Bruta ficou com a vaga na Série B 2019. Tristeza no lado timbu, que tem seu ano encerrado precocemente em agosto.

“(É um) momento difícil. Só tenho a agradecer por tudo que aconteceu na minha vida. Agradecer ao Náutico. Para mim, esse ano foi muito bom, mas infelizmente para o Náutico não foi. É levantar a cabeça e bola para frente. A gente tem que reerguer esse time”, contou o goleiro Bruno, que se firmou nesta temporada na meta alvirrubra e foi uma das revelações do clube em 2018.

“Sentimento de tristeza, porque a gente sabe que perdeu (a classificação) no primeiro jogo. Era um resultado difícil de se fazer em casa, a gente sabia que tinha todas as condições de fazer, mas não conseguimos fazer o gol no início. Aí dificultou um pouco. A gente jogou contra uma equipe que sabe viver estes momentos, principalmente com dois gols na frente. Não é desculpa. Infelizmente não conseguimos, mas o futebol é isso aí. Que sirva de aprendizado e que a gente possa dar a volta por cima”, falou Lelê, o principal destaque do Náutico na partida.
A maior parte do elenco viveu um ano muito bom no clube com a conquista do título estadual e boa campanha na fase de grupos da Série C. Uma continuidade no clube na próxima temporada é vista com bons olhos pelo meia-atacante. “Estou feliz aqui no Náutico, tenho um carinho muito grande. Se depender de mim, a minha vontade é de ficar. O sentimento é de tristeza neste momento, e vim para cá pra colocar o Náutico na Série B, mas hoje não deu. Mas, de repente, se eu ficar, o meu desejo é de ficar e de conseguir colocar o Náutico onde ele merece”, completou.
“Difícil pensar em futuro agora. Está nas mãos de Deus. Não era o que a gente esperava. Saímos do fundo do poço e conseguimos nos reerguer, mas o mata-mata é assim. São detalhes, poucos erros, e erramos muito no mata-mata. e infelizmente fomos desclassificados. Não vai ser fácil dormir hoje. Nesses próximos dias será complicado para a gente, mas a gente espera que a nossa vida profissional continue porque demos o nosso melhor”, afirmou o volante Josa, capitão do Náutico desde a chegada do técnico Márcio Goiano. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *