Leandro Salino se diz pronto para jogar 90 minutos ;

ADAURY VELOSO ;

Volante ficou parado no segundo semestre de 2017 e se mostrou empolgado com oportunidade de conquistar títulos e o acesso no Tricolor do Arruda ;

Elogiado pelo técnico Júnior Rocha, de fato era só uma questão de tempo até que o volante Leandro Salino recebesse a sua primeira oportunidade no Santa Cruz. Entrou no decorrer da partida contra o Pesqueira, no último domingo, após a expulsão do companheiro de posição Luiz Otávio. Dificilmente, não será titular na próxima quinta-feira, contra o Flamengo, pelo Estadual. Dizendo-se pronto para jogar os 90 minutos, o experiente atleta de 32 anos colocou suas metas no Tricolor em entrevista coletiva de apresentação, na tarde desta quinta-feira, no Arruda.

“Quem só tem a ganhar é o Santa Cruz (com a disputa por posição). O treinador tem que ter boas peças para reposição. É uma disputa sadia, tranquila, com todo respeito. Chego aqui para somar, não com status de titular nenhum. Até porque nem eu aceito isso por respeito aos meus companheiros. Vou brigar por meu espaço como qualquer um e, se entrar nesse jogo ou no próximo, vou dar o máximo para agarrar a oportunidade e para o time sair de campo vitorioso”, afirmou.

“Acredito que a parte física o jogador só adquire com a sequência de jogos e jogando, mas estou pronto, à disposição do professor para ajudar a equipe e dar o meu máximo em campo. Se eu tiver oportunidade de entrar jogando, posso jogar 45, 80, 90 minutos tranquilamente com a experiência que eu tenho”, acrescentou.

Em 2017, Leandro fez 15 partidas pelo Vitória. Não faz uma partida oficial desde o dia 16 de julho, quando a equipe baiana foi derrotada pelo Palmeiras, em jogo válido pela  14ª rodada da Série A. Explicou o porquê de ter sido dispensado pelo clube baiano e de ter ficado tanto tempo parado.
“No Vitória, aconteceu uma coisa política. É um bom clube, não tenho nada a reclamar, mas é um clube político. Passamos uma crise difícil, e eles tinha que escolher alguém para tirar e escolheram a mim e a outros colegas. Fiquei treinando normalmente, alguns clubes tiveram interesse, mas a parte financeira pesou um pouco e preferi ficar só treinando”, disse.
Antes da passagem pelo Vitória, onde acabou sendo afastado do elenco em agosto por questões técnicas, o volante esteve por um longo período longe do país. Desde 2008, atuou pelo futebol europeu, em clubes como o Nacional e o Braga, de Portugal, até ficar entre 2013 e 2016 no Olympiacos, da Grécia. “Fiquei nove anos do país e pegar ritmo de novo aqui é complicado. Tem a questão da adaptação, mas fiquei treinando e optei vir Santa Cruz que é um time de massa, tem uma torcida enorme. Tive outras propostas, mas optei pelo Santa Cruz”, ressaltou.

Obrigação

Questionado sobre a principal meta do Santa Cruz no ano, Salino não titubeou em afirmar que o acesso à Série B é prioridade no clube. Apesar disso, não deixou de mirar outras conquistas. “O Santa Cruz tem que conseguir o acesso e depois voltar para a Primeira Divisão. Um clube desse tamanho não pode ficar na Série C. Os jogadores têm que assumir a pressão de conseguir o acesso. Tem o Pernambucano, a Copa do Nordeste, temos que lutar sempre para sermos campeões, mas o principal objetivo é o acesso à Série B. Na minha cabeça é uma obrigação (subir)”, pontuou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *