LIVRO DO SAUDOSO ARAMÍS-CÉSAR BRASIL

aguiaLOCUTOR TOCOU NO ALARME DO BANCO

E de repente-como ninguém sabe,Rubem Moreira conseguiu que o SPORT CLUB DO RECIFE fosse representar o Brasil nos Estados Unidos, em um torneio envolvendo seleções de grandes países,como Itália,França etcE lá se foi o glorioso Leão da Ilha,vestindo a camisa da Canarinha.

Alberto Galvão de Moura e Eduardo Cardoso comandaram a delegação do Leão da Ilha.A jornada rubronegra passou a ser o prato do dia da crônica.Antes, alguns ensaios com a língua de William Shekespeare, e os craques aprenderam o chamado inglês de papagaio,como Rau dú iu dú?-Voti is iu neime?…

Tendo, todavia,o querido Eduardo Cardoso ( que era o tesoureiro) evitado que o professor ensinasse frases como ” ai uanti monei…rau match is zi bicho?” Mister Cardoso, tudai is pei dei…Mister Cardoso,ai eme broque….Fez um figurão o Leão da Ilha.Só que houve um fato curioso, até hoje inexplicável;o Sport perdeu um jogo por 3 x 2 e toda imprensa anunciou 2 x 2,inclusive nas transmissões diretas…(um dia eu conto o caso como o caso foi… como diria Paulo Cavalcante).

E de repente,lá estava a crônica desportiva em Nova York.Hélio Pinto-presidente da empresa Cabidela que conseguira os jogos éra o anfitrião.Poliglota-porque fala ruim várias linguas-ia mostrando aos confrades  as delicias dos States.

Rildo Uchôa( ouro de lei…).mostrava-se impressionado com o poderio militar americano.-“HÉLIO, por onde ando o pessoal daqui só fala num tanque.Um tal de Tanque U…”.Pacientemente. o confrade explicou que se tratava da palavra obrigado em inglês.

e lá se foi o Hélio Pinto para o Bank Of The USA trocar uns dólares.conseguidos com o Zé da Gama( esse vendia relógio de pau…),indo em sua companhia o querido e saudoso César  Brasil.Enquanto Hélio ficou no caixa trocando o tutu.César Brasil começou a andar pela grande sala do Banco. Era aquele crioulão.de sandálias japonesas.sem dar ovo para nada.Parou junto ao elevador.Ao lado um botão preto,no meio de um circulo dourado.Queria ir ao andar de cima,e enfiou o dedo no botão para”chamar o elevador”.Só que era o botão para alarme em caso de assalto ao Banco.No enfiar dos dedos de César Brasil.dispararam centenas de campainhas e sirenes,enquanto as portas dos bancos fechavam-se automaticamente.Em fração de segundos,o nosso César.viu-se cercado  por guardas da FBI,INTERPOL,Cia,todos com metralhadoras à mão.Deu trabalho  a explicação.O César ficou branco feito uma tapioca.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *