NÁUTICO Técnico evita polêmica sobre local de jogo com Central

Adaury veloso;  O técnico do Náutico preferiu não se envolver na polêmica sobre o duelo contra o Central, em Caruaru. Dado Cavalcanti preferiu focar na partida que teve seu local de disputa alterado duas vezes. Optou por lembrar que o jogo tem teor histórico e deixou a qualidade do gramado do estádio Antônio Inácio como algo secundário.

“Eu, como treinador do Náutico, ser a pessoa que vai tentar abrir os olhos dos outros sobre a condição do gramado é chover no molhado. Quero sempre o melhor para o clube. As consequências veremos depois. Acho uma pena tudo isso. É um jogo histórico. O Central tem muita história em Pernambuco. Estamos falando tanta coisa de fora do campo e esquecemos dessa história. O Central tem um estádio maravilhoso e é esta em uma cidade maravilhosa”, lembrou.

A intenção do treinador foi deixar os problemas a cargo da direção alvirrubra. Seu foco está na partida e o comandante de questão de passar esse sentimento aos atletas. “Perguntei se no nosso grupo tem algum advogado ou algum juiz. Eles me certificaram que não. Todos disseram que são jogadores de futebol profissionais e todos garantiram que estão prontos para jogar futebol”, comentou.

O palco da partida é um velho conhecido do treinador. Foi lá que Dado deu alguns dos primeiros passos no futebol e, na época, não havia problema com o piso do local. “Joguei muito lá. Historicamente, o gramado de lá era um dos melhores do estado. Sempre foi até melhor do que o do Lacerdão. É um estádio que é mais próximo do campo e, se o torcedor esticar a mão, pode tocar na bola no arremesso lateral. Pelo histórico do gramado do estádio, está ruim. Uma pena. Temos que nos adaptar e só vamos saber quando pisarmos no gramado. Teremos que nos adaptar e vamos jogar contra o Central. Não iremos encarar arbitragem”, relembrou.

Outra adaptação que o técnico e o elenco já tiveram que fazer foi em relação à viagem que não estava prevista. O elenco dormirá no CT e logo após o café da manhã irá para Caruaru. “Em condições normais, iríamos para Caruaru na véspera da partida, mas teremos que ir no dia do jogo”, reclamou Dado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *