Roberto Fernandes: “Chegaram as equipes de melhor campanha;

ADAURY  VELOSO ;

Chegaram à final as equipes de melhor campanha. É justo’

Roberto Fernandes elogiou a postura do Salgueiro, mas crê que Náutico e Central merecem fazer a decisão do Pernambucano ;

No suor, como tem sido cada conquista do Náutico na temporada, a vitória sobre o Salgueiro veio com muita angústia e pressão até os acréscimos. Mas o Timbu conseguiu se classificar à decisão do Campeonato Pernambucano para enfrentar o Central com o 3×2. Somar mais um êxito, nessas condições é algo que Roberto Fernandes vê como gabarito para seu time chegar na decisão.

“Para não fugir da regra de como são as conquistas do Náutico com sofrimento, coração na garganta. Mas entendo, sem tirar méritos do Salgueiro, chegaram à final as equipes de melhor campanha. Nada mais justo. O Náutico vai trabalhar muito para sair dessa fila que já dura tanto tempo”, contou o técnico.

Antes de poder entrar no clima do jogo contra a Patativa, o time alvirrubro enfrenta a última partida da fase de grupos da Copa do Nordeste. O comandante deixa claro que continua acreditando, mas vai buscar um caminho que não sacrifique o trabalho no Estadual. “Temos esse jogo também decisivo e que o Náutico tem chances. Eu não acredito que o Bahia vá abrir mão da liderança e o Botafogo-PB também quer a condição. Pode haver um vencedor. Se vencermos o nosso jogo, podemos nos classificar. Sem atrapalhar o planejamento da decisão com o Central que foi nossa única derrota nossa no Estadual e isso ficou muito marcado para mim”, afirmou.

O Náutico chega em uma condição curiosa para a final. Ao mesmo tempo em que é o melhor mandante do torneio (7 vitórias em 7 jogos) é também, um dos times que ainda não venceu jogando longe da Arena de Pernambuco. Feliz pela primeira estatística, Roberto crê que é preciso encontrar o equilíbrio, ainda mais por enfrentar uma equipe que vive um momento muito bom.

“Precisamos fazer dois jogos de muita inteligência e de bastante equilíbrio. É um fator que me dá orgulho. Nos clubes que trabalhei sempre tive um aproveitamento alto como mandante e ano passado sofremos muito. Quando fomos iniciar a temporada, conversei com os atletas que dentre nossos objetivos da temporada, passa o Náutico sendo um mandante de verdade”, revelou o treinador.

Questionado se esperava, em pouco tempo, sair da campanha do rebaixamento para um início de temporada muito vitorioso, o técnico lembrou que para permanecer no cargo precisava fazer acontecer. “Se eu disser que eu não esperava, é mentira. Por sobrevivência minha no cargo. É muito difícil um treinador que cai ser mantido. Sabemos da pressão no ano seguinte. Esperava me complicar se não fosse dessa forma. Nosso trabalho sempre foi, pode perguntar aos dirigentes, voltado ao acesso para a Série B. Mas era preciso começar a temporada assim. É um trabalho de resgate”, completou Roberto Fernandes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *