Santa Cruz e Náutico voltam a se reencontrar ;

ADAURY VELOSO =

Último mata-mata entre corais e alvirrubros aconteceu em 2016, quando o Tricolor despachou o Timbu nas semis do estadual; De um lado, um Santa Cruz que vem de uma doída eliminação nas quartas de final Copa do Nordeste. De outro, um Náutico ainda em busca de evolução. Ambos com objetivos semelhantes: reagir na temporada. Após quatro anos, é neste cenário que tricolores e alvirrubros voltam se enfrentar em busca de uma vaga na final do Campeonato Pernambucano. O sonho timbu em disputar a terceira decisão seguida. O desejo coral de se reencontrar com a taça depois de três edições.

Um duelo, porém, sem favoritos. Esqueça o 2 a 0 no Arruda, ainda na fase de grupos do Estadual. O equilíbrio se comprova em números. Nos últimos 10 Clássicos das Emoções disputados na Arena Pernambuco, palco da partida desta quarta-feira, nem Timbu nem Cobra Coral se sobressaíram: foram quatro empates e três triunfos para cada lado.

O extra-campo

Como de praxe em jogos de grande apelo, o Clássico das Emoções começou antes mesmo do pontapé inicial. O Santa Cruz, mandante do jogo por ter a melhor campanha do Pernambucano, solicitou à Federação Pernambucana de Futebol a transferência da partida para sua casa, o Arruda. Uma batalha que seguiu até o Tribunal de Justiça Desportiva (TJD), mas cujo órgão indeferiu a requisição e manteve o duelo contra o Náutico agendado para a Arena.

Tabu em mata-mata

Nesta década, este será o quinto e último mata-mata disputado entre os rivais. E o histórico pesa – e muito – a favor do Santa Cruz.  Entre 2011 e 2020, foram quatro confrontos jogados diante do Náutico e em todos eles o Tricolor desbancou o rival.
Foi assim nas semifinais do Campeonato Pernambucano de 2013 e 2016, na disputa do terceiro lugar do Estadual em 2017 – valendo uma vaga para a Copa do Nordeste -, além do “Jogo do Milhão” na segunda fase da Copa do Brasil de 2019, vencida pelo Santa Cruz nos pênaltis.

Como vem o Santa

Seguindo a tônica dos últimos jogos, o Santa Cruz, mais uma vez, deve mudar pouco no time. A equipe titular, salvo algumas possíveis mudanças no ataque, – Jeremias na vaga de Patrick Nonato e Didira retornando ao meio de campo – deve ser a mesma que jogou diante do Confiança, na Copa do Nordeste.
Depois da eliminação nos pênaltis no Regional, o técnico Itamar Schülle admitiu que precisa colocar ‘aos poucos’ os novos reforços. Mas apenas Derlis Alegre é opção, uma vez que o atacante paraguaio foi inscrito no BID a tempo para a disputa do Estadual, diferentemente de Jaderson e Kleiton.
Além de estar invicto no Campeonato Pernambucano – oito vitórias, um empate, e um desempenho de 92,6% -, o Santa Cruz conta com Pipico, artilheiro que já provou gostar de disputar clássicos. É o carrasco do Timbu, inclusive. Em quatro confrontos, balançou as redes do Alvirrubro quatro vezes.

Como vem o Náutico

Classificado após bater o Central, por 2 a 1, na Arena Pernambuco, o Náutico evitou se envolver quanto às polêmicas sobre o mando de campo e trabalhou para consolidar o desempenho do time, que obteve os resultados no Estadual desde a retomada, mas não convenceu os seus torcedores.
As esperanças do Náutico recaem sobre o bom desempenho do experiente Jorge Henrique que, aos 38 anos, vive seu melhor momento desde o retorno ao Alvirrubro em 2019. Comandando o setor de criação e municiando o ataque Timbu, o meia tem bons números contra o Tricolor com a camisa alvirrubra. São cinco gols marcados em duas passagens.
Quanto ao time, a base que venceu o Central deve ser mantida. O grande reforço que o técnico Gilmar Dal Pozzo terá na partida é o retorno do meia Jean Carlos. O jogador foi diagnosticado com a Covid-19 antes do jogo contra o Salgueiro, na última rodada da fase de grupos do Pernambucano e passou pelo período de isolamento de 14 dias. Agora, o maestro alvirrubro está liberado para a partida, mas deverá entrar no segundo tempo, como já sinalizou previamente o treinador.

Ficha do jogo

Santa Cruz 
Maycon Cleiton; Toty, Wiliam Alves, Danny Morais e Fabiano; André, Paulinho e Didira; Jeremias, Victor Rangel e Pipico. Técnico: Itamar Schülle
Náutico 
Jefferson; Hereda, Carlão, Rafael Ribeiro e Wiliam Simões; Rhaldney, Jhonnatan e Jorge Henrique; Thiago, Erick e Kieza (Salatiel Júnior). Técnico: Gilmar Dal Pozzo
Local: Arena de Pernambuco, em São Lourenço da Mata
Horário: 21h30
Árbitro: Rodrigo Pereira
Assistentes: Clóvis Amaral e Bruno Vieira
    COMENTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *