Sem espaço para oscilação, Santa Cruz enfrenta o Confiança;

ADAURY VELOSO ;

SANTA CRUZ

Sem espaço para oscilação, Santa Cruz enfrenta o Confiança na 1ª de três decisões na Série C

A três jogos para fim da 1ª fase, Tricolor não tem mais espaço para vacilar ;

O Santa Cruz é uma equipe que, jogando em casa, tem deixado a desejar na temporada. Oscila muito. Vive altos e baixos até mesmo dentro de uma mesma partida. Porém, chegou o momento do ano em que o Tricolor não tem mais espaço para errar. A três rodadas para o fim da primeira fase da Série C, a equipe coral precisa somar pelo menos seis dos nove pontos em disputa para avançar aos mata-matas. A primeira das três decisões pela frente acontece às 15h30 deste sábado, no Arruda, contra um adversário direto pelo G4: o Confiança.

Com 21 pontos e ocupando a quinta posição do Grupo A, o Tricolor tem dois pontos de vantagem sobre a equipe sergipana, que vem uma posição atrás. Precisa vencer a partida a todo custo para não se complicar na competição. Mesmo com o adversário há nove jogos sem vencer, Roberto Fernandes entende que o jogo é dos mais difíceis. Sobretudo porque sabe que, se o Santa Cruz tem apenas o sétimo aproveitamento entre dez clubes do Grupo A da Série C, o Confiança é o visitante mais indigesto do Brasileiro.
“Acredito que eles tenham a capacidade de voltar a brigar pelo G4. É um jogo dificílimo. Não é de seis é de sessenta pontos. O jogo está em aberto. Até porque santa cruz tem um pouco de dificuldade de jogar em casa. Até parafraseando Luxemburgo, tem aquela história de o ‘medo perder tira vontade de ganhar’. Precisamos vencer”, afirmou
Dos três jogos que restam nesta fase, dois serão no Arruda. Logo, a classificação passará diretamente pelo aproveitamento em casa. Não em vão, o técnico voltou a convocar o torcedor. “O apoio do torcedor será fundamental. Eu diria que muitas vezes estive aqui (sala de imprensa) e fui questionado se o jogo seria um divisor de águas. Não gosto muito dessa expressão, mas se tem jogo que se aproxima desse sentido é esse”, disse. “Com uma vitória, nós vamos para as duas últimas rodadas com a faca no dentes, sangue nos olhos, na briga pela classificação. Outro resultado não elimina a gente, mas dá ducha de água fria”, ponderou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *