SPORT – Barros e Martorelli serão investigados;

ADAURY VELOSO –

Nesta terça-feira, aconteceu reunião ordinária do Conselho Deliberativo do Sport que orientou a investigação dos ex-presidentes rubro-negros;Um clima de tensão e expectativa encheu o salão da sede social do Sport na noite de ontem. A reunião ordinária do Conselho Deliberativo do clube do mês de agosto teve como principal atrativo a apresentação do relatório de análise dos balanço do 2018. O documento elaborado por comissão especial, em suas 24 páginas, mostrou indícios de má gestão e sugeriu punições em três âmbitos. Após votação, ao final da sessão foram aprovadas por unanimidade a instalação de assembleia geral para a apuração de responsabilidade dos ex-presidentes Arnaldo Barros e João Humberto Martorelli, o afastamento de ambos do quadro de sócios e, por fim, o encaminhamento do relatório ao Ministério público de âmbito estadual e federal.


Logo no início da apresentação do documento elaborado pela comissão, que foi formada por cinco conselheiros do clube, sendo presidida por Etério Rodrigues e composta por Fábio Monterazo, Aristides Batista, Ivone Fonseca e João André Rodrigues, colocou-se que foi necessária a análise dos anos entre 2015 a 2018. A primeira informação detectada foi uma perda de quase R$ 85 milhões em patrimônio líquido do clube. De acordo com dados apresentados, em 2015, o clube possuía R$ 105 milhões em patrimônio, algo que foi reduzido para 20 milhões em 2018. Além disso, foram identificados mais de R$ 60 milhões de dívidas em impostos e tributos em 2018.
“Não temos saúde financeira para contratar uma empresa de auditoria com o escopo necessário para investigar tantos dados. Temos um contrato vigente com a BDO, uma das cinco maiores empresas de auditoria, porém nosso pacote é o básico. Eles auditam apenas o básico na nossa prestação de contas. E essa comissão se comprometeu a fazer este trabalho hercúleo e detalhado para trazer todos estes dados”, salientou o presidente do Conselho Deliberativo rubro-negro, Ricardo de Sá Leitão.
Outros pontos colocados foram adiantamento de cotas junto à TV Globo entre dezembro de 2015 e 2016. Valores na ordem de R$ 58 milhões, algo que é proibido pelo ProFut, lei de responsabilidade fiscal do futebol, e pode trazer consequências ao clube. Também foram demonstrados indícios de adiantamentos de verbas a uma empresa, classificada como fantasma no relatório, que prestava serviço de lava-jato para o clube.
Ao fim da leitura do parecer da comissão, um dos membros do levantamento colocou as seguintes proposições que foram postas no documentos elaborado.
“Precisamos que se entenda o seguinte: Não temos os poderes do MP ou do Tribunal de Justiça. Não podemos quebrar sigilo bancário e nem telefônico, por isso não podemos afirmar, mas temos indícios mais que suficientes de má gestão e ou gestão temerária nos exercícios dos presidentes João Humberto Martorelli e Arnaldo Barros. Por isso, pedimos para que o Conselho analise para tomar as medidas cabíveis”, disse Aristides Batista.
Martorelli e Arnaldo estão suspensos do quadro de sócios. Próximo passos: 1) Serão investigados pelo conselho para serem banidos. 2) Sport enviará documentos ao Ministério Público. 3) Sport convocará uma assembleia de sócios para votar se processa os dois diretamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *