Sport perde Magrão por lesão e acaba goleado em Curitiba;

ADAURY VELOSO ;

SPORT

Sport não segura pressão do Atlético-PR, perde Magrão por lesão e acaba goleado em Curitiba

Leão fez primeiro tempo seguro, mas vacilou na etapa final e perdeu décimo jogo seguido como visitante; dois últimos gols vieram após lesão do goleiro;

O número é emblemático: dez. E diz muito a respeito da impotência do Sport atuando como visitante neste Campeonato Brasileiro. Pela décima vez consecutiva, o Leão voltou a ser derrotado na Série A longe da Ilha do Retiro. Desta vez, pior, goleado. O algoz foi o Atlético-PR – que, por sua vez, venceu nono jogo seguido na competição como mandante. Os gols da vitória paranaense foram marcados no segundo tempo, por Thiago Heleno, Bergson (duas vezes) e Rony. Os dois últimos gols vieram após lesão de Magrão, que deixou o time com um a menos e fez do meia Gabriel goleiro.
Sem conseguir dar sequência a um esboço de reação acenado com a vitória sobre o Internacional na última rodada, a equipe rubro-negra volta a afundar na zona de rebaixamento. Vice-lanterna, o Sport agora está a cinco pontos do Vitória, primeiro fora da zona de rebaixamento com 32 pontos.
O Sport volta a campo às 19h do próximo sábado, quando irá receber o Vasco da Gama, na Ilha do Retiro, em um duelo direto na luta contra o rebaixamento. Para a partida, o Leão contará com os retornos do lateral esquerdo Sander e do volante Jair, que cumpriram suspensão nesta rodada. Por outro lado, Fellipe Bastos tomou o terceiro amarelo e é desfalque certo.
O jogo
Desde os primeiros minutos de jogo, ficou evidente a estratégia do Sport em Curitiba. Na defensiva, o Leão cedeu campo ao Atlético-PR. Bem postado, com marcação encaixada por zona, a equipe comandada pelo técnico Milton Mendes suportou bem a pressão do Furacão. Muito graças a Magrão, é verdade. Foi o goleiro o principal responsável pelo 0 a 0 no placar ao fim da primeira etapa. Aos 5, salvou o que seria o gol olímpico de Lucho González.
Aos 15, o grande momento de Magrão na partida. Primeiro, salvou com o pé direito o chute cruzado de Marcelo Cirino e, na sequência, defendeu a finalização de Lucho González. À essa altura, o Atlético tinha 70% da posse de bola. O Sport com dificuldade para avançar o meio de campo parecia esbarrar na velocidade que a bola ganhava no gramado sintético da Arena da Baixada e na ausência de uma referência de ataque para segurar a bola no setor.
Mas em um dos raros ataques, aos 17, o Sport mostrou por que a estratégia armada tinha seu quê de perigo a oferecer. Após escanteio, Michel Bastos finalizou, Jonathan tenta cortar, mas deu rebote. Marlone chutou forte e por muito pouco não abriu o placar. O lance acendeu o sinal de alerta do Furacão, que minimizou o ritmo intenso que começou o jogo. Com a dupla de zaga Ronaldo Alves e Adryelson muito atenta, cortando tudo, o Leão suportou bem as investidas do adversário sem sustos até o apito final.
Segundo tempo
Sentindo a necessidade de um centroavante, Milton Mendes trocou no intervalo Matheus Gonçalves por Hernane Brocador – que estava fora do time por uma lesão no ombro há quase um mês. Mas não houve nem tempo para se animar ofensivamente. Se na etapa inicial, o sistema defensivo do Leão foi impecável, eis que no primeiro lance do segundo tempo, aos 2 minutos, veio o vacilo. Raphael Veiga cobrou falta e o Brocador não acompanhou Thiago Heleno, que subiu sem marcação abrindo o placar.
Aos 7, Raul Prata cruzou para Marlone, sozinho, cabecear torto perdendo boa chance. Aos 10, ao tentar cortar uma boa com pouco perigo Raul Prata tocou com o braço na área. Pênalti que Bergson converteu. Na desvantagem, o Sport se abriu mais para tentar descontar. Aos 13, Hernane avançou e finalizou para defesa de Santos. No lance seguinte, Raphael Veiga respondeu com um tiro para mais uma grande defesa de Magrão.
Magrão machucado e goleada
Aos 26 minutos, Magrão se chocou com Ronaldo Alves e caiu de mau jeito. Sem poder fazer mais alterações, o goleiro ainda tentou ficar no jogo até os 34, quando não aguentou mais e deixou o campo. O meio-campista Gabriel foi para o gol, deixando o Leão com um a menos em campo. Foi a senha para o Furacão fazer a festa e construir a goleada.
Aos 38, Bergson aproveitou corte mal feito de Evandro e fuzilou sem chances para o pequeno Gabriel. Dois minutos depois, foi a vez de Rony, mais um ex-Náutico, ampliar com categoria, e dar números finais à partida.
 
Ficha do jogo
 
Atlético-PR 4
Santos; Jonathan, Paulo André, Thiago Heleno e Renan Lodi; Bruno Guimarães, Lucho González (Wellington), Raphael Veiga e Nikão (Rony); Bergson e Marcelo Cirino. Técnico: Tiago Nunes.
 
Sport 0
Magrão; Raul Prata, Ronaldo Alves, Adryelson e Evandro; Marcão (Nonoca), Fellipe Bastos, Gabriel, Marlone (Rafael Marques) e Mateus Gonçalves (Hernane); Michel Bastos. Técnico: Milton Mendes.
Local: Arena da Baixada, em Curitiba.
Árbitro: Wagner Reway (MT/Fifa).
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho (SP/Fifa) e Eduardo Gonçalves da Cruz (MS).
Gols: Thiago Heleno (2’ do 2ºT), Bergson (10’ e 38’ do 2ºT) e Rony (40’ do 2ºT) (A).
Cartões amarelos: Fellipe Bastos, Neto Moura e Ronaldo Alves (S).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *