Thomás relata alegria no Santa Cruz: “Escolha mais certa que já fiz”

ADAURY VELOSO;

Thomás surgiu no Flamengo, em 2011, como uma grande promessa. Foi convocado para as seleções brasileiras de base, mas nunca conseguiu se firmar no time carioca. Após passagens pelo italiano Siena, pelo Seattle Sounders, dos Estados Unidos, além de Ponte Preta e Joinville, não se tornou o jogador que muitos esperavam. Agora como titular do Santa Cruz há quatro jogos, o meia de 23 anos parece retomar o caminho do sucesso. Relata a alegria de estar no Tricolor e não esconde que fez a “escolha mais certa” ao assinar com o clube coral no início deste ano.

Se teve passagens apagadas antes, 2016 foi ainda mais frustrante para Thomás. Ele jogou apenas 13 vezes pelo Joinville, apenas duas como titular do time, e terminou rebaixado à Série C do Brasileiro. Com um gol e uma assistência, dada no último Clássico das Multidões, o momento de agora contrasta com o do ano passado. Com o Santa Cruz invicto nas oito primeiras partidas da temporada, o atleta admite que não imaginava esta fase.

“Surpreende um pouco porque a gente se juntou há pouco tempo. São jogadores novos que vieram de outros clubes, mas a gente se deu muito bem. Temos uma amizade boa e isso reflete no campo. Além do trabalho no campo, em que a gente vem treinando muito sério. Mas ainda tem muita coisa a melhorar também”, ponderou.

Individualmente, também se mostra satisfeito. Thomás, que chegou a ser alvo do Náutico para 2017 como “contrapeso” do atacante Rafael Silva (que acabou indo para o Hatta Club, dos Emirados Árabes), assegura que tomou a decisão correta ao escolher o Arruda como a sua nova equipe. “Com certeza, foi a escolha mais certa que eu fiz. Desde o primeiro momento, me senti em casa aqui. Para se sentir bem, trabalhar bem, tem que estar com a cabeça boa. Eu estou muito feliz aqui e isso também se reflete dentro de campo. Fui muito bem recebido pelos companheiros”, declarou. “Estou feliz com a cidade, minha família, namorada, tudo”, emendou.

O treinador Vinícius Eutrópio também tem participação nesta sua adaptação, garante. “O Vinícius me ajudou muito, me deu total confiança, mesmo quando fiquei no banco nos primeiros jogos. Sempre conversou comigo e deixou claro que eu era considerado um titular por ele e estava fora no momento.” Sem querer desapontar o comandante, reafirma que está disposto a jogar em qualquer lugar do campo, ofensivamente. “Sinto-me bem em qualquer posição do meio-campo ou ataque.”

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *