Thomás se diz versátil e diz que treinador foi crucial para acerto com o SantaCruz

Adaury veloso;  Thomás foi apresentado oficialmente pelo Santa Cruz nesta quarta-feira. Mas poderia não estar na pré-temporada em Olinda com o elenco coral. Poderia estar no vizinho Náutico, treinando no CT Wilson Campos. Por capricho da vida, o versátil meia-atacante (como se define) não assinou contrato com o Timbu e depois foi parar no rival Tricolor. Dois detalhes foram primordiais para que o destino do jogador fosse o Arruda. Um deles foi o técnico Vinícius Eutrópio.    esde quando foi contratado pelo Santa Cruz, Eutrópio sempre destacou a vontade de ter um elenco com atletas que jogassem em mais de uma posição. Viu isso em Thomás e logo solicitou a sua contratação. Mas a negociação com o jogador do aconteceu porque o acerto dele com o Náutico não foi concretizado. A sua ida ao Timbu estava vinculada à contratação do atacante Rafael Silva, que preteriu o Alvirrubro e foi jogar no Hatta Club, equipe dos Emirados Árabes. Mas Thomás garante que a conversa que teve com o comandante coral foi capaz de convencê-lo a assinar com o Mais Querido.

“Com o Náutico, tive uma conversa, como em outros clubes. A partir do momento que conversei com o Vinícius (Eutrópio) e surgiu a oportunidade de vir para o Santa Cruz, não tive dúvidas e vim para cá. Estou muito feliz com a minha decisão e acho que é um grande passo que dei na minha carreira”, relatou.

Thomás agora quer ajudar o treinador e se dispõe a atuar em várias faixas do campo no setor ofensivo, assim como tem feito nos treinamentos. “Comecei jogando pelo lado, já joguei também por dentro, um pouco mais recuado também. Gosto de tocar a bola, de ir para cima e estou aqui para ajudar”, falou. Afirma que não tem preferência de posição.

“Surgi na base e até em Seleção (Brasileira) sub-20, jogando por dentro. Só que, quando subi para o profissional do Flamengo, em 2011, o professor Vanderlei (Luxemburgo) me colocava na ponta. Acaba que eu fazia um pouco ali, um pouco aqui. Não tenho preferência. O que importa é estar dentro de campo, que é o que me move.

Ex-Flamengo e tido como uma das grandes promessas do Rubro-negro carioca, assim como William Barbio, espera esquecer 2016. No ano passado, atuou pelo Joinville, mas só participou de nove partidas, duas como titular. De quebra, amargou um rebaixamento para a Série C do Brasileiro. “Não costumo falar sobre o que passou. O Joinville já foi para mim. Aprendi com a experiência. Santa Cruz é um time de massa, como estou acostumado e como gosto.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *