Santa Cruz conquista a Copa do Nordeste;

ChZryDtWkAA-kef A festa estava sendo entoada em três, dos quatros cantos, do estádio Amigão, em Campina Grande. O silêncio tricolor dava pra ser sentido. Não haviam torcedores naquele espaço da arquibancada. Apenas almas ainda descrentes diante da perda do título, que parecia tão possível. Mas toda essa sensação teve um intervalo de tempo de dez minutos. Pareceu uma eternidade. Bendito Arthur, o jogador responsável por recolocar vida naqueles corpos tricolores. E eles passaram a respirar cantando: “Ah… É Pernambuco!” O título da Copa do Nordeste é apenas seu Santa Cruz. Inédito. Histórico. Tricolor.

Obvio que aquele 0x0, insistente por todo o primeiro tempo, e inalterado até os 25 minutos da etapa final, era completamente enganoso. Uma outra partida, entre os mesmo rivais de ontem havia sido disputada na última quarta-feira, e a vantagem tricolor, no duplo confronto, foi aberta naquele gol de Bruno Moraes, no apagar das luzes. Era este 2×1 que não saia das cabeças dos tantos torcedores presentes no Estádio Amigão, em Campina Grande. E foi ele quem ditou estratégias e comportamentos durante o jogo.

O Campinense não foi o mesmo do primeiro encontro, no estádio do Arruda, assim como o Santa Cruz também esteve diferente da equipe que atuou no Recife. Falo na questão de atitude. Os tricolores foram os adversários que a Raposa conseguiu ser na primeira partida. A diferença, no entanto: os anfitriões de Campina Grande se mostraram mais perigosos que os corais da partida de ida. De fato, o placar e o tempo eram inimigos, e o Santa Cruz soube atrair essa dupla de aliados para o jogo.

Tudo poderia ter sido tão diferente se Grafite não tivesse desperdiçado a melhor chance da partida no primeiro tempo. Jogada que começou com Arthur, em contra-ataque, e que fez a bola chegar na grande área para o centroavante coral, sozinho, abrir o marcador. Ele errou o chute, quando só havia o goleiro Gledson e as traves a sua frente. Naquele momento, os tricolores já tinham João Paulo em campo. Leandrinho havia sentido uma contusão e deu a vaga ao jogador. Ficha do jogo

Campinense/PB
Gledson; Negretti, Joécio, Thiago Sala e Danilo; Fernando Pires , Magno, Raul (Filipe Ramon) e Roger Gaúcho (Adalgisio Pitbull); Jussimar (Thiago Pedra) e Rodrigão. Técnico: Francisco Diá
Santa Cruz
Tiago Cardoso; Vitor (Bruno Moraes), Alemão, Danny Morais e Tiago Costa; Uillian Correa, Leandrinho (João Paulo) e Lele (Wellington); Arthur, Keno e Grafite.

Local: Estádio Amigão (Campina Grande)
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos e José Carlos Oliveira dos Santos (Ambos da BA)
Gols: Rodrigão (aos 25 do 2ºT) e Arthur (aos 33 do 2ºT)
Cartões amarelos: Rodrigão (Campinense); Tiago Cardoso e Arthur (Santa Cruz)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *